Culpados pelo Silêncio

“Culpados pelo Silêncio” – 2Re 7:9

Missões tem sido um assunto de fácil compreensão, mas, às vezes, de difícil execução – é o que nossa história mostra! Uma das perguntas mais feitas pelos povos recém-alcançados é esta: Se há tantos que conhecem o evangelho em sua terra, porque tão poucos vêm até nós? A queixa de muitos que ainda não ouviram o Evangelho seria exatamente essa: vocês têm uma mensagem transformadora, mas a silenciam! Vocês conhecem a salvação, mas se calam! Seríamos culpados pelo silêncio de não fazermos essa mensagem conhecida?

A história dos quatro leprosos (2Re 7) é uma lição do Antigo Testamento completamente aplicável a nós, HOJE, quanto à responsabilidade missionária. A cidade de Samaria estava sitiada pelos sírios. A fome era tão arrasadora que levou pessoas à prática ignóbil do canibalismo. O povo estava encurralado, sem esperança, a vida se abreviava e a morte era uma questão de tempo. Os leprosos tiveram um pensamento de sobrevivência e foram corajosamente ao arraial inimigo, quando fizeram a revolucionária descoberta: o inimigo inexistia! O medo não fazia mais sentido! A morte deixou de ter razão porque o Senhor operara maravilhosa salvação! No clímax do entusiasmo e em meio a banquete e riqueza, os leprosos não pensaram em si mesmos…, mas tomaram a acertada decisão: “Não fazemos bem; este dia é dia de boas-novas, e nós nos calamos; se esperarmos até à luz da manhã, seremos tidos por culpados; agora, pois, vamos e o anunciemos…”! Resultado: uma cidade inteira foi salva porque quatro miseráveis leprosos não se calaram. Ainda noite, foram e anunciaram!

Espiritualmente falando, temos um quadro análogo: bilhares de pessoas hoje ainda não ouviram de Jesus, estão morrendo sem esperança! Continuam esfaimadas do verdadeiro Pão da vida e ainda ignorantes das Boas Novas do Evangelho conhecidas há tanto tempo! São pessoas com línguas e culturas diferentes! São aglomerados humanos que se agrupam nos entornos dos rios e dos lagos, nos planaltos e campinas, nos sertões e litorais, nas zonas rurais e nos complexos contextos urbanos. É gente de todo tipo, cor, condição social, cultural e econômica, espalhados pelos rincões do Brasil e do mundo, mas ainda encerrados numa mesma condição: não ouviram de Cristo porque o Evangelho não lhes foi (devidamente) compartilhado! Muitos NUNCA ouviram de Jesus, nem ao menos uma só vez! Enquanto isso, nós, Igreja, estamos do lado absolutamente oposto – experimentamos a salvação! Conhecemos a verdade! Sabemos que o inimigo foi vencido e que a morte não tem mais razão! Que há esperança viva e eterna porque, em Cristo, não existe mais condenação! Nós sabemos! Temos uma mensagem! A pergunta é: O que estamos fazendo?

“Se esperarmos até à luz da manhã, seremos tidos por culpados”. O problema da Igreja não é o de não ter uma mensagem nem de não saber como transmiti-la – NÃO! Um dos sérios problemas missiológicos da Igreja é a procrastinação! Perdemos o senso de urgência! Mas… o que continuaremos fazendo – esperaremos até à luz da manhã? Definitivamente não! Hoje (ainda) é dia de Boas Novas, vamos anunciá-las! Não podemos ser culpados pelo silêncio!