Qual glória nós amamos?

“É incrível como vamo-nos tornando muito parecidos com aquilo que amamos”.

 “É incrível como vamo-nos tornando muito parecidos com aquilo que amamos”.


João, no seu Evangelho {12:42,43}, ao falar dos que creram em Cristo inclui, entre eles, muitos dentre as próprias autoridades judaicas. Pessoas nobres, que ao ouvirem o ensino de Cristo foram convencidas e convertidas, mas por temerem ser expulsos da sinagoga e amarem a glória humana, não confessaram a Cristo diante dos homens e tampouco glorificaram a Deus.

Focado neste tema: Glória de Deus ou Glória dos Homens, voltei-me para o livro do profeta Jeremias {9:23,24}, palavras santas do Senhor, sobre o que deve o homem se gloriar. O texto inicia-se discorrendo sobre a glória dos homens e apresenta motivos terrenos para o homem se gloriar: Sabedoria humana – Força física e Riquezas deste mundo. Sem dúvida uma tríade por demais tentadora, na qual tropeçam muitos dos mortais.

A advertência divina é que: O sábio não se glorie na sua sabedoria, como o fez o grande Salomão, e no final da sua vida concluiu que correr atrás da sabedoria é correr atrás do vento, é pura vaidade e o resultado é muito enfado e profunda tristeza {Eclesiastes 1.17,18}. Nem o rico se glorie nas suas riquezas, pois assim o fez Salomão, o homem mais rico sobre a terra, pois amontoou prata e ouro, tesouros de reis e de terras distantes; ajuntou bens, comprou e construiu tudo o que desejou o seu coração, todavia viu que tudo isso era vaidade e nenhum proveito havia {Eclesiastes 2.8-11}.

Que o forte não se glorie na sua força como o fez Sansão e pereceu nas mãos dos seus inimigos. Deus o dotara com uma força física fora do comum com um propósito de livrar o seu povo do domínio filisteu. Sansão recusou-se a submeter a Deus e dedicou a maior parte de sua vida exibindo-se com orgulho sua capacidade e recursos extraordinários, julgando ele serem oriundos de músculos poderosos. Buscava egoisticamente a satisfação sensual com mulheres de moral duvidosa, em farras e bebedices sem fim, desprezando repetidamente seu compromisso com Deus {Juízes 13.7}. Abandonado por Deus, por causa de sua obstinada rebeldia, o grande Sansão fracassou no colo de uma frágil mulher. Aquele que roubara a glória que era de Deus, agora se encontrava tolhido de sua força descomunal. Tolamente julgando ser invencível, fora humilhado, feito escravo de seus inimigos, e desesperado suicida-se entre as colunas de um templo filisteu. Nunca houvera um homem tão forte e ao mesmo tempo tão fraco. Temido e odiado; louvado e escarnecido; vitorioso e derrotado.

Sansão, tal qual Salomão, escolheu amar a glória dos homens e esta foi a razão de seu fracasso. Mas, ainda há para o homem motivos justos para se gloriar. É perfeitamente lícito ao homem que se glorie em conhecer a Deus, em saber que Ele é o soberano Senhor que dispensa sua misericórdia, executa seu juízo e exercita sua justiça sobre a terra.

Gloriar-se nisso agrada o homem ao Senhor. Há somente uma escolha a ser feita: Amar a glória dos homens ou amar a glória de Deus. É impossível optar pelas duas.

Pr. Jadir Siqueira